terça-feira, 13 de agosto de 2013

Projeto de atividades sequenciadas da Dona Baratinha

Dona Baratinha

Certa vez, Dona Baratinha encontrou uma moedinha de ouro enquanto varria sua casa.
- Oba! Que sorte! Vou arranjar um noivo.
Toda contente, lá foi Dona Baratinha para a janela, com um laço de fita na cabeça e a moeda de ouro na caixinha, cantando assim:

Quem quer casar com Dona Baratinha
Que tem fita na cabeça
E dinheiro na caixinha?

- Eu quero, eu quero, eu quero! Exclamou um boi que por ali passava.
- Como é sua voz?
- Muuuu...muuu...muuu...
- Não, não! Que voz horrível!!! Assim, não vou conseguir dormir. Não posso me casar com o senhor.
Muitos outros candidatos apareceram.
O gato miando: Miau...miau...miau...
O cachorro latindo: Au...au...au
O burro zurrando: hi...hó...hi...hó...
Até um cabrito berrando: Bééé...bééé...bééé...
Dona Baratinha não gostou de nenhum deles. Ela se assustava com a voz de todos.
Nisso surgiu Dom Ratão com sua vozinha delicada:
- Chi...chi...chi...
Ela adorou a voz do novo pretendente e ficou toda apaixonada. Logo marcaram o dia do casamento.
Para comemorar o grande dia, prepararam uma gostosa feijoada. Mas guloso como ele só, Dom Ratão não resistiu ao cheirinho delicioso. Antes da cerimonia, foi até a cozinha pegar um pedaço de toicinho da feijoada e tchibum!
Era uma vez um noivo de casaca. Ele foi parar no fundo da panela de feijão.
Dom Ratão teria morrido afogado entre toicinho, linguiça e paio se não fosse o atento cozinheiro. Mas não houve casamento. Dom Ratão ficou muito envergonhado e fugiu apressado sem se despedir da Dona Baratinha, que continua até hoje procurando um noivo:

Quem quer casar com Dona Baratinha
Que tem fita na cabeça
E dinheiro na caixinha?

(texto adaptado).

terça-feira, 13 de novembro de 2012

Da cozinha para a sala de aula...




Este é um novo projeto que vem resgatar a alegria de contar histórias para os filhos,netinhos, sobrinhos, afilhados a afins... 

        Tudo começou numa conversa no ônibus quando estávamos indo a Florianópolis, para o recebimento do Prêmio Epídio Barbosa, pela conquista do EDEB,da Escola Municipal Adolpho Bartsch. ( 7,9).
        Enfim, numa conversa com Andrea, a cozinheira da escola, descobri que ela escrevia histórias para sua netinha torta, - como ela chama carinhosamente.  Então, disse a ela que isso poderia se tornar um projeto muito legal ... e as ideias começaram a se transformar ....
        Assim, ela me trouxe uma história " O macaco mentiroso e o tatu invejoso", levei a outra escola que leciono com o 2º ano  e contei a eles... ficaram encantados.
        Instiguei-os a desenhar e a escrever sobre a pessoa na qual escreveu a história....
        - Como ela é?  é gorda, magra, alta, bonita, feira, branca, negra, cabelo comprido, curto ...
        - O que ela faz? Sua profissão? Professora, advogada, cozinheira, servente, diretora, auxiliar de produção, doméstica....
        E disse a eles que ela viria a escola e contar histórias suas no final de novembro e dizer a eles o que mais ela faz...
        Então, lancei o desafio ... apareceu de tudo, mas, ainda não descobriram.

video
Este vídeo foi realizado na EM Adolpho Bartsch, tento como objetivo socializar o Projeto para fazermos um contra ponto entre escolas envolvidas.
Como estávamos no final do ano, Andrea a cozinheira escritora, escreveu-nos mais uma história,"O natal de João" que trabalhamos lindamente. 
Aguardando mais!!!

"Um homem esperto cria mais oportunidades do que encontra"- Francis Bacon

SURPRESA!!!
A história virou livro. 

E será lançado em setembro/2013, pela Editora Dialogar.

"O macaco mentiroso e o tatu invejoso", de Andrea M.Foster